Pequi

Código: RKUWQCNLJ
6x de R$ 19,66
R$ 118,00
ou R$ 112,10 via Depósito
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 118,00 sem juros
    • 2x de R$ 59,00 sem juros
    • 3x de R$ 39,33 sem juros
    • 4x de R$ 29,50 sem juros
    • 5x de R$ 23,60 sem juros
    • 6x de R$ 19,66 sem juros
    • 1x de R$ 118,00 sem juros
    • 2x de R$ 59,00 sem juros
    • 3x de R$ 39,33 sem juros
    • 4x de R$ 29,50 sem juros
    • 5x de R$ 23,60 sem juros
    • 6x de R$ 19,66 sem juros
    • 1x de R$ 118,00 sem juros
    • 2x de R$ 59,00 sem juros
    • 3x de R$ 39,33 sem juros
    • 4x de R$ 29,50 sem juros
    • 5x de R$ 23,60 sem juros
    • 6x de R$ 19,66 sem juros
  • R$ 112,10 Deposito
  • R$ 112,10 Boleto Bancário
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

O pequi (Caryocar brasiliense), também chamado de pequizeiro, piqui, piquiá e pequiá, é uma árvore do cerrado brasileiro. Seu fruto é muito utilizado na culinária sertaneja. Dele, é extraído um óleo denominado "azeite de pequi". Seus frutos são, também, consumidos cozidos, puros ou juntamente com arroz e frango. Seu caroço é dotado de muitos espinhos. O sabor e o aroma dos frutos são muito marcantes e peculiares. O fruto pode ser conservado tanto em essência quanto em conserva.

Nas antigas vilas de Meia Ponte e Vila Boa, ainda no início do século XVIII, o pequi começa a ser utilizado na culinária de Goiás. Na região que circunda a cidade industrial de Catalão, o pequi era utilizado tão somente para a fabricação do sabão de pequi, de propriedades terapêuticas.

O fruto pode ser apreciado em variadas formas: cozido, no arroz, no frango, com macarrão, com peixe, com carnes, no leite, e na forma de um dos mais apreciados licores de Goiás. Além de doces e sorvetes

Sua polpa macia e saborosa deve ser comida com bastante cuidado, uma vez que a mesma recobre uma camada de finos espinhos que, se mordidos, fincam-se na língua e no céu da boca, provocando dores intensas, risco este que deixa de existir, uma vez assimilada a técnica de degustação, que é de fácil aprendizado. Deve ser comido apenas com as mãos, jamais com talheres. Deve ser levado à boca para, então, ser "raspado" - cuidadosamente - com os dentes, até que a parte amarela comece a ficar esbranquiçada, e parar antes que os espinhos possam ser vistos.

O fruto do pequizeiro, por ser rico em óleo, já foi muito utilizado na fabricação de sabão caseiro pelos moradores rurais do Tocantins, que não tinham fácil acesso ao produto industrializado. Na fabricação do sabão, a massa do fruto era misturada a um líquido retirado das cinzas de uma árvore conhecida popularmente por "mamoninha". Essa mistura era levada ao fogo e produzia um sabão vegetal de cor preta brilhante, bastante macio, que era usado para lavar roupas, utensílios e principalmente para a higiene pessoal pois, segundo as pessoas que o fabricavam, o produto fazia bem para a pele e cabelo. Seu óleo é, também, uma das principais fontes para a produção de biodiesel.

Tamanho da muda com no mínimo 20cm.

*Imagens principais meramente ilustrativas equivalentes a um exemplar adulto da mesma espécie comercializada, já estabelecido, florindo ou frutificando.

 

6x de R$ 19,66
R$ 118,00
ou R$ 112,10 via Depósito
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • Mercado Pago
  • Depósito Bancário
  • PagSeguro
Selos

BUQUE GIGANTE EIRELI - CNPJ: 28.066.332/0001-98 © Todos os direitos reservados. 2018

b202977c0fc07e1c6b31961a905395a8ffb23121 google-site-verification: googlefb715e0e5ed40a66.html